Cultura na Escola



A antropologia define a cultura como o conjunto de significados que um indivíduo discerne ao seu redor. A cultura engloba, então, diversos aspectos sociais, como costumes, línguas, crenças, valores, religião, entre outros tantos. Sob esta concepção, todos os indivíduos têm cultura e nenhuma cultura pode ser considerada melhor ou superior a outra.

Sob uma concepção popular, a cultura é definida como o conjunto de manifestações artísticas, linguísticas e hábitos sociais de uma comunidade ou grupo de indivíduos. Estariam então inseridas dentro deste conceito de cultura atividades relacionadas à música, dança, teatro, literatura cinema, artes plásticas, arquitetura, linguagem etc.

A Pedagogia, em sua essência, está diretamente relacionada à cultura. Porém há tempos que a educação se converteu num processo mecanicista e determinista, em grande parte influenciado pelo Behaviorismo de Skinner, que prima pelo condicionamento a certas ações e deixa o aluno com a simples função de receptor dentro de um sistema de reforços positivos ou negativos. Isso colaborou para a exaltação da ciência como pura e verdadeira e sua oposição à cultura.

Nos últimos anos, cada vez mais os educadores têm tentado romper com o paradigma da educação behaviorista. Neste processo, a inclusão da cultura nas escolas é fundamental. As escolas atuais começam a visar a promoção de uma integração aos espaços culturais de modo a fornecer aos estudantes uma oportunidade de ampliar sua visão do mundo. Para isso é preciso existir uma inserção de elementos culturais na grade escolar, assim como a valorização das práticas culturais nas escolas e a colaboração com museus, sítios históricos, institutos e outros organismos culturais.

Neste novo modelo educacional, o aluno deixa de ser um agente passivo, exclusivamente receptor, para se tornar um receptor-produtor de conteúdo cultural, aproximando o conceito popular ao conceito antropológico de cultura. A cultura na escola estimula os estudantes a desenvolverem novas habilidades e capacidades, que futuramente serão de extrema importância para que eles possam exercer a função de agentes transformadores em um mundo que resiste em manter as fronteiras culturais.